Cientistas criam polímero que pode se regenerar

14 06 2014

Cientistas conseguiram desenvolver um novo polímero que, quando cortado ao meio, pode se regenerar. É um truque bem impressionante.

Desenvolvido por uma equipe de cientistas espanhóis, o material é tecnicamente uma “rede elastomérica permanentemente reticulada de poli(ureia-uretano)”, mas eles o chamam simplesmente de “polímero Exterminador”.

A ciência por trás das cenas é ligeiramente complexa para leigos – os detalhes estão aqui – mas os resultados são fáceis de ver. Corte-o no meio e, em apenas duas horas, o plástico pode se fundir novamente e recuperar 97% das conexões físicas que perdeu ao ser cortado. E ele nem requer um catalisador! Isso é definitivamente algo digno de Exterminador.

Felizmente, os usos práticos disso são um pouco menos perigosos que um robô assassino. A ideia é usá-lo para criar componentes ​​de plástico mais duráveis nos carros, gadgets e tudo o mais.

É impressionante ver algo futurista assim em ação. E de acordo com os autores da pesquisa, publicada no periódico Materials Horizons da Royal Society of Chemistry, ele não deve ser difícil de produzir:

Há poli(ureia-uretano)s com composição química e propriedades mecânicas semelhantes que já são utilizados em uma vasta gama de produtos comerciais. Isto torna este sistema muito atraente para uma implementação rápida e fácil em aplicações industriais de verdade.


REFERÊNCIA
LIMER, Eric. GIZMODO BRASIL. Cientistas criam “polímero Exterminador” que pode se regenerar como mágica Disponível em: <gizmodo.uol.com.br> Acesso: 14 Jun 2014.





Adesivo de poliuretano é usado na confecção de passaportes super seguros

21 01 2014

REFERÊNCIA
DO PAPEL. Desenvolvimentos na produção de passaportes. Disponível em: <www.dopapel.com> Acesso: 20 Jan 2014.


A Austrália está fazendo alterações na forma como são produzidos os passaportes, documentos que exigem um elevado cuidado na proteção contra a falsificação. A empresa australiana Kugler-Womako GmbH desenvolveu uma variante da sua máquina de produção de passaportes, a PassPort 2, a que chamou PassPort2 PUR, que usa um adesivo hot-melt de poliuretano em vez das colas tradicionais e uma máquina completamente nova para a inserção do chip do passaporte. A cola PUR é aplicada ao material a ser processado em temperaturas entre os 130 e os 140°C.

Passport-australia

Um sistema de controle de quantidade de cola utiliza uma câmara de detecção de calor para controlar a aplicação uniforme da camada de adesivo sobre a zona a ser colada. Enquanto isso está esfriando, o adesivo de poliuretano é submetido a um processo químico e endurece completamente. Maior segurança é um aspecto dos produtos encadernados que suportam temperaturas extremas e umidade, sem perder nenhuma força adesiva. Outra é que o vínculo não pode ser separado sem destruir os materiais colados.





Empresa anuncia colchão inteligente capaz de melhorar o sono

11 01 2014

REFERÊNCIA
OLHAR DIGITAL. Empresa anuncia colchão inteligente capaz de melhorar o sono. Disponível em: <olhardigital.uol.com.br> Acesso: 10 Jan 2014.


A onda da tecnologia pessoal é o “eu quantificado”. Pulseiras, relógios, celulares e óculos inteligentes, captam dados do usuário a todo momento para sugerir melhorias de vida. Por que não um colchão inteligente, também? Pensando nisso, a Sleep Number anunciou o x12, um colchão inteligente de US$ 8 mil.

Apresentado na CES 2014, o x12 é equipado com um sistema chamado “Sleep IQ”, que pode monitorar seu sono com precisão e também fazer ajustes na cama para melhorar a qualidade do seu descanso.

Os sensores no colchão são capazes de medir a respiração, os batimentos cardíacos e os movimentos noturnos. Os dados são enviados ao smartphone ou outro dispositivo para visualização simplificada. A cama é capaz até mesmo de fazer sugestões de como dormir melhor.

Como outros produtos não-smart da Sleep Number, o colchão também é ajustável, permitindo que cada parte da cama seja levantada ou abaixada separadamente. A cama é tem até mesmo um botão chamado “Partner Snore”, feito para ser apertado quando seu parceiro está roncando. Ele ajusta a parte da cabeça em 6 graus, o que, segundo o Digital Trends, normalmente é suficiente para parar o ronco.

Outros recursos são as luzes inferiores programadas para serem ligadas ou desligadas quando você sobe ou desce da cama e ainda é capaz de massagear o usuário.





Dow Brasil investe US$ 2 milhões para Centro de Novas Tecnologias

10 12 2010

REFERÊNCIA:
AZOMATERIALS. Dow Brasil investe EUA US $ 2 milhões para Centro de Novas Tecnologias em Jundiaí. Disponível em: <http://www.azom.com>. Acesso: 10 Dez 2010


Dow Brasil, gigante mundial no setor químico e plástico, com operações no Brasil desde 1956, anunciou na Feiplar Composites & FEIPUR – Feira Internacional e Congressos de Composites, Poliuretano e Plásticos de Engenharia – Tecnologia e Mercado do Centro de Desenvolvimento de Poliuretanos e Sistemas Formulado em a cidade de Jundiaí, interior de São Paulo.

Com investimentos de EUA $ 2 milhões e inauguração prevista para Janeiro de 2011, o laboratório se estende ao longo de um metro quadrado da área 1200 e irá fornecer uma série de serviços, incluindo análises químicas e físico-químicos, equipamentos para simular a produção de uma vasta gama de aplicações de PU , a caracterização das propriedades físicas e preparação de amostras para os clientes.

“O novo centro de tecnologia será focado no desenvolvimento de soluções personalizadas de poliuretano e formulações para nossos clientes. Além de-of-the-art máquinas estadual, o centro contará com uma equipe técnica de profissionais qualificados engajados no mercado e as tendências tecnológicas “, afirma Marco Fay, diretor de Sistemas Formulado para a Dow Brasil. “É importante destacar que o centro será capaz de simular a produção de espumas, um processo a ser seguido pelos clientes da Dow, com vista a acelerar o desenvolvimento de novas soluções”, acrescenta Fay.

Dow Centros de Tecnologia de Poliuretanos e Sistemas Formulado em outras geografias, como os Estados Unidos, Europa e Ásia. A integração desses centros será um traço distintivo importante, pois permite Dow prontamente acesso às novas tecnologias e tendências e disponibilizá-los no mercado. Tal alinhamento global, juntamente com o vasto conhecimento dos clientes da Dow e da equipe técnica, será a principal força motriz para o desenvolvimento de soluções inovadoras para os mercados latino-americanos e brasileiros.

O novo laboratório irá utilizar todo o conhecimento adquirido na empresa Global Technology Centers, que é o que prevê a instalação o título de um dos mais modernos e bem equipados laboratórios latino-americanos. “O encontro de necessidades dos clientes foi a nossa principal razão que nos levou a criar e desenvolver o nosso laboratório”, conclui Marcelo Fiszner, líder de Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos de Performance da Dow para a América Latina.

Algumas das características distintivas oferecidos pela Tecnologia e Desenvolvimento de Mercado Center são:

* preparação de pré-polímeros;
* linha de formulação para a fabricação de espumas flexíveis;
* desenvolvimento e elaboração de protótipos;
* avaliação e caracterização de propriedades físicas.

Dow lança nova espuma de poliuretano em Feipur

Também na Feipur, Dow Brasil lançou o Comfort Fresh, uma espuma de poliuretano de látex, que proporciona muito conforto, frescor e uma maior durabilidade em comparação com espumas de látex convencionais.

A espuma foi lançado durante a palestra técnica emitido por Rogério Baixo, pesquisa e desenvolvimento técnico para o negócio de poliuretano no Brasil. Sob o tema “Inovação, conforto e frescor em espumas flexíveis de alta resiliência”, Rogério apresentou a nova especialidade de espumas flexíveis, com propriedades semelhantes às das espumas de látex convencionais e que oferecem um toque aveludado e mesmo a circulação de ar excelente.

Paulo Altoé e André Fernandes, gerente de tecnologia de produtos e representante técnico comercial da Dow Brasil, respectivamente, falaram sobre a “Nova geração de espumas para isolamento térmico com expansores ambientalmente amigável.” Eles introduziram uma nova geração de sistemas de poliuretano combinado com expansores de que não afetam a camada de ozônio e que não causam impacto direto sobre o aquecimento global.

Finalmente, Rodnei Abe, especialista representante técnico de vendas de produtos de isolamento para a eficiência do mercado de energia na América do Sul, apresentou um estudo sobre “Enhanced poliisocianurato para-Painéis de metal.” A palestra abordou alguns recursos envolvidos na relação de propriedade-estrutura que é um característica da tecnologia sandwich poliisocianurato, incluindo a sua resistência ao fogo, além de introduzir uma família de sistemas de espuma de poliisocianurato comercializada sob a (TM) marca VORATHERM, uma linha de produtos que atende “às necessidades específicas dos clientes em termos de espuma de propriedades físicas e processabilidade e retardante de chama, trabalhando com expansores diversas.





Cientistas criam espuma de titânio

7 10 2010

REFERÊNCIA:
OLHAR DIGITAL. Esqueleto de Wolverine: cientistas criam espuma de titânio. Disponível em: <http://olhardigital.uol.com.br>. Acesso: 06 Out 2010.


Projeto alemão pesquisa implantes de ossos mais flexíveis e que se adequam melhor ao osso danificado

Se você já assistiu a saga dos X-Men deve saber que a indestrutibilidade de Wolverine se deve ao adamantium que percorre seu corpo por conta de um experimento de laboratório. No entanto, se tudo der certo, Wolverine não será o único com metal fundido no esqueleto.

Um projeto alemão chamado de TiFoam em curso nos laboratórios do Instituito Fraunhofer está estudando o uso de uma espuma de titânio para substituir ou reforçar ossos danificados.

Geralmente, os implantes ósseos são feitos com metal sólido – titânio, na maioria das vezes. O material é bem tolerado pelo organismo, mas também é mais rígido que os ossos. Por esse motivo, o implante é capaz de carregar uma carga maior que o osso colocado ao lado dele. Segundo os cientistas, isso pode fazer com que o osso vá se deteriorando e o implante solte, sendo necessário substituí-lo.

Para mudar isso, os cientistas criaram um implante de titânio com uma estrutura de espuma, o que permite melhores propriedades mecânicas, como flexibilidade. Além disso, a estrutura porosa permite que o osso cresça em torno e dentro dela, integrando o implante ao esqueleto.

A estrutura é feita de titânio vindo da saturação de espuma de poliuretano com solução de titânio em pó e agentes de ligação. Após o processo, o titânio adere à matriz de poliuretano, que é vaporizada junto com os agentes de ligação. Ao final, o titânio é tratado termicamente para endurecer.

Por enquanto, os estudos ainda estão sendo feitos para aprovação de uso em seres humanos, mas o cientistas estão trabalhando com médicos para explorar o uso no tratamento de determinadas lesões.





Designer cria terno de lã e poliuretano

18 09 2010

REFERÊNCIA:
PORTAL VÍRGULA. Designer cria terno invencível. Disponível em:<http://virgula.uol.com.br>. Acesso: 17 Set 2010


Os executivos de plantão vão gostar dessa novidade! Sabe aquela história de que terno é tudo igual? Pois bem, Kristen Slowe resolveu inovar e criou a peça Jacket Invincible, que como o nome mesmo diz, é invencível. A novidade é feita de lã e poliuretano, o que o torna a prova de umidade, manchas e rugas. Portanto, caro executivo, não tem mais essa história de sair amarrotado.

O terno custa US$800,00 e já está disponível no site Sabotteur. Confira o vídeo abaixo:





César Cielo pede anulação de recordes conquistados com maiôs de poliuretano

18 09 2010

REFERÊNCIA:
TERRA ESPORTES. Cielo pede anulação de recordes conquistados com maiôs especiais. Disponível em <http://esportes.terra.com.br/noticias>. Acesso: 17 Set 2010


O campeão olímpico e mundial de natação César Cielo pediu que todos os recordes conquistados usando trajes de poliuretano sejam cancelados agora que o esporte retornou aos antigos trajes de tecido.

Cielo, que detém os recordes mundiais para os 50 metros e 100 metros livres (ambos conquistados com os maiôs especiais), disse que os tempos atingidos se tornaram irrelevantes, dado a decisão da Fina no ano passado de proibir trajes de poliuretano nas competições a partir do início deste ano.

Os tempos que fizemos no ano passado deveriam ser anulados“, disse Cielo a jornalistas depois de terminar em terceiro lugar na final masculina de 100 metros nado livre durante o Pan-Pacífico de Natação, na quinta-feira. “Está simplesmente bagunçando a cabeça de todo mundo.”

A decisão de proibir o uso de trajes tecnológicos de poliuretano foi feita pela entidade internacional que controla o esporte, depois de 43 recordes serem batidos no Mundial do ano passado por nadadores usando tais trajes de última geração.

Cielo conquistou todos os seus melhores tempos usando os maiôs de poliuretano que o ajudaram a reduzir a resistência da água e aumentar a flutuabilidade.

Ele bateu o recorde mundial de 100 metros, com 46,91 segundos, no Mundial do ano passado, em Roma, e conquistou o recorde dos 50 metros, com 20,91 segundos, em dezembro no Brasil.

Não vejo um motivo para manter um recorde mundial de 46,9 segundos se mal estamos batendo os 48 segundos”, disse Cielo. “O mais importante é vencer, não bater um recorde mundial.