Nova fábrica da Flex do Brasil para o segundo semestre

22 05 2010

REFERÊNCIA:
DCI-Comércio, indústria e serviços. Flex do Brasil investe em nova fábrica para atender aumento do consumo. Disponível em: <http://www.dci.com.br>. Acesso em: 21 Maio 2010

A indústria brasileira de colchões Flex do Brasil, que detém as marcas Simmons e Epeda, deverá construir uma nova fábrica em São Paulo, próxima de Santa Barbara do Oeste, interior do estado. Com a nova unidade, a empresa espera crescer cerca de 11% em 2010, alicerçada no na expansão do setor de construção, que deverá atingir 7% este ano. “A expansão da construção civil, com aumento de moradias, afetará positivamente o nosso negócio”, afirmou presidente da empresa, Edmilson Santoro.

A companhia não revelou quanto será investido na nova planta e detalhes de produção, apenas afirmou que a fábrica começará a ser construída no segundo semestre e que deverá ficar pronta no final de 2011. ” O ano passado fomos muito afetados com a crise mundial juntamente com o área de construção civil, porém este ano o setor busca a recuperação”, afirma Santoro.

O ano passado a Flex do Brasil faturou R$ 75 milhões e em 2010 pretende fechar o ano com um montante de R$ 86 milhões. Já em número de produção, a companhia deve fechar o ano com 210 mil peças fabricadas contra 177 produzidas no ano anterior.

Dentro do ramo de construção civil, a companhia também está focada no setor hoteleiro além do fornecimento doméstico. “Com o setor de hotéis, devemos crescer 10% no volume total nos próximos anos devido a Copa do Mundo que acontecerá em 2014 e Olímpiadas em 2016 que acontecerão no Brasil”, explica.

A empresa tem a previsão de lançar três linhas de colchão até o final do ano. No primeiro lançamento que aconteceu este semestre, a Flex investiu R$ 150 mil, porém preferiu não citar valores dos outros. Segundo o presidente da Flex do Brasil, a alta demanda está localizada nos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Hoje, a empresa detém 11 linhas no mercado. Segundo Santoro, também está nos planos da Flex abrir centros de distribuição pelo Brasil para alargar os negócios e dar maior visibilidade à marca.

Atualmente a empresa exporta 2,5% de sua produção a países da América Latina. No caso de importação, Santoro afirma que apenas a matéria-prima é importada de países como a China. “Não precisamos importar o produto final: um dos motivos é que temos o produto no Brasil e o outro é que o preço da importação de ar comprimido, utilizado dentro do colchão, é muito alto.”

About these ads

Ações

Information

One response

21 08 2013
Fatima Arruda

Eu infelizmente comprei uma cama com colchão da Flex na Sleep em fevereiro de 2011 e a cama está com 2 buracos, e o box tbm está deformado, sabem qual a posição da loja Sleep, seu box não tem mais garantia e sabe qual é a posição da Flex a mesma, mais ou menos assim dane-se o que você gastou, te vira e vendem um colchão para a vida toda que dura 1 ano, pq eu não quis acreditar que um produto que paguei tão caro estivesse com sérios problemas de deformação, atenção por que na hora de comprar a Sleep é maravilhosa na hora de atender são um lixo, e a flex se nega a me enviar o laudo que o técnico fez do colchão…cuidado se eu fosse vcs jamais compraria colchão na sleep e muito menos da Flex…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 173 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: